Cardiologistas lançam novas estratégias para combate de doenças cardiovasculares, principal causa de morte no país – NoroesteOnline.com

Cardiologistas lançam novas estratégias para combate de doenças cardiovasculares, principal causa de morte no país

17 de setembro de 2019
Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A atualização da Diretriz de Prevenção da SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia) constata que as taxas de mortes por doenças cardiovasculares por faixa etária estão diminuindo no Brasil, mas o número total de óbitos tem aumentado devido ao envelhecimento e adoecimento da população. O Brasil ganhou quase cinco milhões de idosos, desde 2012, que já são mais de 30 milhões no total, equivalente a três vezes a população de Portugal.

Em 2019, as doenças do coração serão responsáveis por 400 mil mortes, a principal causa, segundo o Cardiômetro da SBC. “O coração mata duas vezes mais que todos os tipos de câncer, 2,5 vezes mais que os acidentes e mortes decorrentes da violência e seis vezes mais que as infecções, incluídas as mortes por AIDS É uma epidemia que precisa ser combatida com prevenção”, afirma o diretor científico da SBC e um dos coordenadores da Diretriz, Dalton Précoma. O documento, voltado para orientar médicos e profissionais da saúde, atualiza as estratégias para abordar os fatores de risco clássicos que provocam as doenças do coração e analisa questões também relacionadas ao regionalismo do Brasil.

A taxa de mortalidade por doença cardiovascular atribuída à falta de atividade física diminuiu, nos últimos 25 anos no Brasil, em 45%, tanto para homens, quanto para mulheres, enquanto a média mundial esse índice ficou em apenas 24% para eles e 31% para elas. Os estados do sul e sudeste apresentaram as menores taxas de mortalidade pelo coração, devido à inatividade física. Enquanto estados como a Paraíba e o Maranhão apresentaram as maiores. “Se todos praticassem exercícios físicos com regularidade, os óbitos por doenças do coração cairiam em 15,8% para homens e 15,2% para mulheres”, completa Précoma que ressalta a importância de campanhas regionais de prevenção.

A Diretriz ainda discute novos conceitos como a necessidade de agregar o conhecimento de fatores de risco emergentes como a espiritualidade, que é abordada pela primeira vez como importante fator de prevenção; aspectos socioeconômicos e ambientais; bem como estratégias adicionais como o uso de vacinas. O documento revela que a hipertensão arterial, o tabagismo e o diabetes são os três fatores de risco que mais provocam mortes, seguidos pelo sedentarismo, sobrepeso/obesidade e colesterol alto.

As primeiras páginas da Diretriz orientam os médicos a estratificar o risco de cada pessoa em relação às doenças cardiovasculares e ordena as categorias em baixo, moderado e alto risco. “Indicamos os tratamentos, com base nas evidências, e estratégias para minimizar os riscos de um infarto ou AVC, mas o paciente tem que ajudar e fazer a sua parte para que viva mais e melhor”, conclui Précoma.

Vestibular de Verão UNIJUÍ 2020

30 de setembro de 2019
Copyrights 2018 ® - Todos os direitos reservados
Skip to content