Procon divulgou uma lista suja com 419 sites para o consumidor evitar na Black Friday – NoroesteOnline.com

Procon divulgou uma lista suja com 419 sites para o consumidor evitar na Black Friday

8 de novembro de 2018
Compartilhar
  • 2
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    2
    Shares

Às vésperas da campanha de superdescontos Black Friday, que ocorre no próximo dia 23 de novembro, o consumidor deve estar mais atento aos sites em que pretende realizar suas compras. Isso porque, neste ano, 419 empresas estão na chamada ‘lista suja’ divulgada pelo Procon-SP (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo). Destas, 16 entraram no levantamento somente nos primeiros quatro meses deste ano – abril foi o mês com o registro mais recente.

Os sites devem ser evitados porque receberam reclamações de consumidores registradas no órgão fiscalizador, foram notificados, não responderam ou não foram encontrados. Dos 419 registros de CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica) ou de CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) fiscalizados, 252 empresas estão com o endereço eletrônico fora do ar e 167 têm sites ativos.

Principais reclamações durante a Black Friday

De acordo com o Procon-SP, 2.091 queixas foram feitas por consumidores durante a edição passada da Black Friday, em 2017. Entre elas estão “maquiagem de desconto”, quando se aumenta o preço antes da data para, em seguida, aplicar um desconto que, na verdade, iguala o desembolso do consumidor com o valor anterior.

Também foram identificados casos em que o produto ou o serviço oferecido não estar disponível no estoque da loja virtual. Há também casos em que a loja mudou o preço do item quando o consumidor finalizou a compra e pedidos cancelados pela empresa após a finalização da aquisição.

Confira os 419 cadastros da ‘lista suja’ do Procon-SP pelo endereço na internet: http://sistemas.procon.sp.gov.br/evitesite/list/evitesites.php

Comércio eletrônico nacional

A Black Friday 2018, evento mais importante do ano para o comércio eletrônico nacional, acontece no dia 23 de novembro, mas, na prática, as promoções se estendem durante todo o mês. Quem quer encontrar descontos que valem a pena de verdade precisa se planejar com lista de compras e pesquisa de preços.

O site oficial da Black Friday estima que a data movimente 2,5 bilhões de reais este ano, 19% a mais do que em 2017. Os consumidores devem gastar 607 reais, em média, segundo a Nielsen. O valor é 30% maior que o gasto médio de um dia comum.

Smartphones, televisões e eletrodomésticos são os produtos mais vendidos, mas dá para encontrar de tudo – de passeio de helicóptero à ração de cachorro em promoção.

“O evento cresce ano a ano desde 2010, quando começou no Brasil. Saber o que você quer comprar e quanto está disposto a pagar pelo produto é a principal dica para encontrar os melhores descontos no dia com rapidez, antes que acabem os estoques”, diz Ricardo Bove, diretor do site oficial da Black Friday.

Entre as pessoas que consumiram na Black Friday em 2017, 89% não tiveram nenhum problema com a compra, segundo uma pesquisa realizada com 9 mil pessoas pelo site comparador de preços Zoom. No entanto, entre as pessoas que não têm intenção de consumir no evento este ano, 65% não acreditam que os descontos são reais.

Fonte: O Sul

Pós-Graduação Unijuí

3 de dezembro de 2018
Copyrights 2018 ® - Todos os direitos reservados
Skip to content