Dez utilitários que fracassaram porque não são tão utilitários assim – NoroesteOnline.com

Dez utilitários que fracassaram porque não são tão utilitários assim

26 de dezembro de 2018
Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Ford lançou na linha 1985 a tração 4×4 para Pampa e Belina, mas a versão afundou na lama com a fragilidade do sistema – o diferencial traseiro da Belina da nossa frota de Longa Duração quebrou tantas vezes que nossos jornalistas decidiram não usar mais o 4×4. Deixou de ser oferecida na linha 1987.

Racha de picapes

–© Fornecido por Abril Comunicações S.A. –

A cearense Troller tinha como plano vender 1.200 picapes Pantanal em 2006, mas só emplacou 77 veículos em dois anos. Ao comprar a marca, a Ford descobriu trincas no chassi e decidiu recolher as unidades já vendidas e indenizar seus compradores.

Diferencial negativo

–© Fornecido por Abril Comunicações S.A. –

Se nos EUA a Silverado é muito popular até hoje, no Brasil a picape pegou a contramão. Estreou em 1997 e logo acabou derrapando por problemas do diferencial. Assim, a GM interrompeu em 2001 a importação do utilitário, que nunca mais voltou ao país.

Tentando sem parar

–© Fornecido por Abril Comunicações S.A. –

Não é fácil fazer um jipe no Brasil: o Stark, da TAC (Tecnologia Automotiva Catarinense), nasceu como protótipo em 2006, a produção veio em 2009 e as vendas, só em 2012. Sem sucesso, a marca mudou para Sobral (CE), ficou parada até 2014 e agora tenta voltar à ativa.

Chevrolet Fajuto

–© Fornecido por Abril Comunicações S.A. –

Clone do Suzuki Grand Vitara, o primeiro Tracker veio da Argentina em 2001. Com um fraco motor diesel e sem identidade própria, ele literalmente não emplacou muito: 750 carros em 2003. Saiu duas vezes do mercado e só deu certo agora, que usa a base do Cruze.

Francês tropical

–© Fornecido por Abril Comunicações S.A. –

Projetada apenas para o mercado brasileiro, a Peugeot Hoggar foi apresentada em 2009, porém nunca decolou nas vendas – perdia até para a ultrapassada Ford Courier. Com a estreia do hatch 208, ela (que tinha base do 207) acabou se aposentando em 2014.

Lugar certo, hora errada

–© Fornecido por Abril Comunicações S.A. –

Ao chegar aqui, em 2007, a indiana Mahindra tinha tudo para crescer no mercado de SUVs. Mas economia lenta, alteração nas leis e alta do dólar afetaram sua curta passagem por aqui, onde as vendas totais não chegaram a 4.000 utilitários no acumulado até 2015.

Só de passagem

–© Fornecido por Abril Comunicações S.A. –

A Dodge Dakota estreou no Brasil em 1998 com direito a fábrica própria em Campo Largo (PR). Após sete meses, a Chrysler se uniu à Mercedes e houve mudança de rota na estratégia do grupo. O resultado foi o fim da unidade fabril e da picape em 2001.

Escondido na Amazônia

–© Fornecido por Abril Comunicações S.A. –

Ver um Cross Lander nacional é missão quase impossível. Da romena Auto Romania (ARO), era montado em Manaus (AM) em 2002 com um 2.8 turbodiesel e tração 4×4. Vendeu só 200 unidades até 2006 em razão da falta de investimento na rede e do fraco pós-venda.

Eco do passado

–© Fornecido por Abril Comunicações S.A. –

O EcoSport inaugurou o sucesso dos SUVs compactos no Brasil em 2003. A exceção, porém, foi a versão 1.0 Supercharger. A meta era que fosse uma opção mais barata, já que pagava menos imposto, mas só pagou mico. Fraco e beberrão, saiu de cena em 2006.

Plano de Desenvolvimento Institucional Unijuí

30 de junho de 2019
Copyrights 2018 ® - Todos os direitos reservados
Skip to content