Dia mundial do Fusca, o ainda queridinho do povo - NoroesteOnline.comNoroesteOnline.com ">

Dia mundial do Fusca, o ainda queridinho do povo

22 de junho de 2022

“Quem não teve, um dia vai ter”, “Quer verder?”, “É 1300 ou 1600?”, “De que ano é?”, “Mas com arame e alicate você conserta!”, “Fusca não é carro!” essas são algumas perguntas ou afirmações que os donos de Fuscas recebem no dia-a-dia, sendo esse modelo ainda o queridinho da maioria.

No dia 22/06/1934, foi assinado o contrato com Ferdinand Porsche para que produzisse um carro robusto, compacto e acessível. Esse foi o começo da história do nosso conhecido Fusca. Por isso, o dia 22 de junho, é um dia de recordar e comemorar esse ícone que revolucionou a história automobilística.

No país o Fusca chegou em 11 de setembro de 1950, no porto de Santos com o navio SS Delfland, da companhia de navegação Lloyd Real Holandês – ou, no idioma original, Koninklijke Hollandsche Lloyd (KHL). A empresa existiu entre 1899 e 1981 e tinha como foco o transporte de cargas e passageiros entre a Europa e a América do Sul.

O primeiro embarque, previsto inicialmente para julho de 1950, só ocorreu em agosto. E, por uma simples questão de escala, coube ao SS Delfland trazer o lote inaugural de Volkswagen ao Brasil.

Em Santos, os dez Fuscas e duas Kombis ficaram armazenados à espera do desembaraço aduaneiro. Somente em 17 de novembro de 1950 é que o primeiro Volkswagen seria vendido no Brasil, pela Sabrico (a pioneira concessionária da marca), em São Paulo, ao sr. Rodolfo Maerz. No dia seguinte, todos os veículos do lote já tinham novos donos – enquanto isso, outros Fuscas e Kombis cruzavam o Atlântico a caminho do Brasil.

Passou a ser montado em solo nacional no formato CKD (com as peças ainda importadas) em 1953, em um galpão no bairro do Ipiranga, em São Paulo (SP). No dia 20 de janeiro de 1959 tinha início a produção nacional, na fábrica de São Bernardo do Campo/SP, a primeira unidade fabril da VW fora da Alemanha. Embora a data de 20 de janeiro seja considerada o início da produção em solo nacional, porque foi a data oficializada pela fabricante, a primeira unidade feita no Brasil, oficialmente, saiu da linha em 3 de janeiro de 1959.

Em sua trajetória até o fim da produção, em 1986, ele teve diversas opções de motorização: motor traseiro refrigerado a ar com 1.300cm³ (a partir de 1967, com 45 cv), 1.500 cm³ (introduzido em 1970, com 52 cv, o que lhe rendeu o apelido de Fuscão) e 1.600 cm³ (em 1974, com dupla carburação, que rendia 65 cv). O câmbio foi sempre manual de quatro marchas. Em 1985, ganhava a versão 1.600 movida a etanol.

Com baixo custo e propagandas que reforçavam a sua robustez, o Fusca conquistou os brasileiros. Tanto que após sete anos de ausência no mercado, a produção foi retomada em 1993 a pedido do então presidente da República, Itamar Franco. Nascia aí o “Fusca Itamar”, que foi fabricado até 1996, movido exclusivamente a etanol.

O sucesso foi tanto que o modelo foi o carro mais vendido no Brasil por 24 anos consecutivos, alcançado o número histórico de um milhão de unidades vendidas no País em março de 1972. Até 1986, segundo a própria VW, o Brasil produziu 3,1 milhões de unidades do Fusca.

Sua imagem se tornou tão emblemática que deu origem a outro modelo em 1998: o New Beetle. Suas linhas eram inspiradas na versão original, porém, adotando uma plataforma moderna. Em 2012, ele resgatava mais uma vez o nome Fusca ao ganhar um sucessor.

Hoje o fusca chama atenção daqueles que querem colecionar, expor ou dar uma viajada de volta ao mundo. Muitos viajantes optam por ser um carro de manutenção baixa, fácil e ainda ter as peças necessárias para a reposição.

 

 

Pós-Graduação Unijuí – Para quem reinventa o amanhã

29 de março de 2022
Copyrights 2018 ® - Todos os direitos reservados