Após dois anos de luta, haitiano consegue trazer a família para Ijuí – NoroesteOnline.com

Após dois anos de luta, haitiano consegue trazer a família para Ijuí

9 de março de 2019
Compartilhar
  • 4.4K
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    4.4K
    Shares

A vida do haitiano Franceome November passou a ser mais feliz desde a última quinta-feira, quando finalmente conseguiu trazer sua família para o Brasil, a esposa e três filhos.

De acordo com o pastor Sandro Daltrozo, que entre outras pessoas foi um dos responsáveis por ajudar a trazer a família de Franceome para o Brasil, em um esforço conjunto dos membros da Igreja CEPAN – Igreja Esperança para as Nações, a burocracia haitiana é muito grande e isso fez com que levasse quase dois anos para que a família pudesse sair do Haiti em segurança e vir para o Brasil.

“Foi um esforço conjunto. Por aproximadamente dois anos estivemos envolvidos nisso, o problema é que deu grandes transtornos os documentos, mesmo tendo toda documentação, o Haiti não carimba o visto de forma muito amistosa, quer saber tudo. Foi com muita dificuldade burocrática e por um ano e meio lutamos por essa transferência. Eles vieram do Haiti para Porto Alegre, buscamos eles na Capital Gaúcha e trouxemos para Ijuí, onde passam a residir no bairro Independência”, contou Daltrozo.

Daltrozo também relatou da dificuldade muito grande em que a família vivia no Haiti. A esposa e filhos de Franceome não tem comunicação nenhuma em português, já que a língua oficial do Haiti é o francês e o dialeto criol. Porém, Francoeme já fala e entende o português muito bem, ele também morou na República Domunicana, onde se fala o espanhol e num portunhol, que aprendeu ao passar dos anos, o haitiano consegue se comunicar perfeitamente com os brasileiros e agora traduz tudo para a esposa e filhos.

Atualmente Franceome trabalha no Hospital de Caridade de Ijuí e está aprendendo retifica de motores na empresa Tekna. Mas Franceome também trabalhou por um bom tempo no supermercado da Cotrijuí, logo que chegou a Ijuí.

No Haiti, Franceome e família moravam na capital do país, Porto Príncipe, que possui aproximadamente 3 milhões de habitantes. O Haiti mergulhou em uma crise política há vários anos, que culminou com uma guerra civil, protestos e muita violência, o empobrecimento geral da população e dificuldades sócio-econômicas enormes para o povo. Devido a escassez de alimentos, os haitianos precisam estocar comida e água em casa. O Haiti é o mais pobre do hemisfério ocidental.

 

Vestibular de Inverno 2019 Unijuí

20 de maio de 2019
Copyrights 2018 ® - Todos os direitos reservados
Skip to content