F1: Pirelli conclui investigação de pneus estourados dos carros de Verstappen e Stroll em Baku - NoroesteOnline.comNoroesteOnline.com ">

F1: Pirelli conclui investigação de pneus estourados dos carros de Verstappen e Stroll em Baku

16 de junho de 2021

Pirelli concluiu que as falhas nos pneus que afetaram Max Verstappen e Lance Stroll no GP do Azerbaijão de Fórmula 1 foram provavelmente causadas pela forma como as equipes os usaram.

Ambos os pilotos sofreram com estouros dos traseiros esquerdos em Baku, com a suspeita inicial apontando para os detritos sendo a causa dos incidentes.

Esta teoria foi reforçada pelo fato de que outros carros sofreram cortes em seus pneus durante o período de bandeira vermelha, desencadeado pelo incidente de Verstappen.

Em uma tentativa de chegar ao fundo do que aconteceu, a Pirelli levou os pneus de volta à sua sede em Milão para uma análise detalhada em seus laboratórios.

Nesta terça-feira (15), a empresa italiana emitiu um comunicado, deixando claro que as falhas não foram causadas por falha de produção, desgaste ou delaminação.

Continuou revelando que as rupturas foram causadas por uma quebra circunferencial na parede lateral interna dos pneus, em vez de ser o resultado de um corte por detritos.

A declaração sugeriu que as rupturas na parede lateral foram provavelmente causadas pela “condição de funcionamento do pneu” – o que provavelmente está relacionado à pressão ou às temperaturas a que foram rodados.

“Esta análise também considerou os pneus usados ​​por outros carros na corrida, que tiveram o mesmo ou um maior número de voltas em comparação com os que foram danificados”, disse o comunicado.

“O processo determinou que não havia defeito de produção ou qualidade em nenhum dos pneus; nem havia qualquer sinal de fadiga ou delaminação. As causas das duas falhas no pneu traseiro esquerdo dos carros Aston Martin e Red Bull foram claramente identificadas. Em cada caso, isso se deveu a uma quebra circunferencial na parede lateral interna, que pode estar relacionada às condições de funcionamento do pneu, apesar dos parâmetros prescritos (pressão mínima e temperatura máxima da manta) terem sido seguidos.”

As equipes de F1 atualmente só precisam usar os pneus com a pressão mínima quando eles são montados nos carros, já que não há necessidade de manter a pressão quando o carro está na pista.

Isso significa que a porta está aberta para as equipes encontrarem maneiras de diminuir a pressão após as verificações, mas essa redução na pressão significa que o pneu está sujeito a mais estresse.

A Pirelli revelou que novos protocolos de pressão e manta de pneus devem ser implementados para garantir que não haja repetição do problema de Baku, com as equipes já informadas pela FIA sobre os novos processos que devem ser seguidos.

O comunicado acrescentou: “Como resultado desta análise, a Pirelli apresentou seu relatório à FIA e às equipes. A FIA e a Pirelli concordaram com um novo conjunto de protocolos, incluindo uma diretiva técnica atualizada já distribuída, para monitorar as condições de operação durante um fim de semana de corrida e eles irão considerar quaisquer outras ações apropriadas.”

Enquanto a Pirelli sugere que a maneira que os pneus foram usados desencadeou os incidentes, a Red Bull emitiu um comunicado insistindo que seguiu todas as recomendações dadas a ela.

“Trabalhamos em estreita colaboração com a Pirelli e a FIA durante a investigação sobre a falha do pneu de Max na volta 47 do GP do Azerbaijão e podemos confirmar que nenhuma falha do carro foi encontrada. Cumprimos os parâmetros dos pneus da Pirelli em todos os momentos e continuaremos a seguir suas orientações.”

“Ficamos gratos que, após os impactos de alta velocidade do fim de semana, nenhum dos pilotos se feriu.”

Fonte: Motor Sport

Saia da zona de conforto: faça pós-graduação Unijuí

23 de fevereiro de 2021
Copyrights 2018 ® - Todos os direitos reservados