Investimento forte em marketing colocou a Chapecoense em outro patamar – NoroesteOnline.com

Investimento forte em marketing colocou a Chapecoense em outro patamar

26 de agosto de 2019
Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Um dos segredos da Chapecoense deixar o marasmo de um pequeno time do interior para figurar entre os grande do país passa pelo investimento forte em marketing que foi feito no clube. Afinal, quem poderia imaginar que uma equipe de futebol, fundada em maio de 1973, na cidade de Chapecó, chegaria tão longe e tão rápido? Nascida da fusão de duas antigas equipes locais, o Atlético Chapecó e o Independente, a Chapecoense surgiu em uma época em que o futebol amador da região estava parado. Logo, o novo clube ganhou apoio de empresários da região, que ficaram empolgados com a ideia de que a cidade de Chapecó estava ganhando um time que a representasse.

Pouco tempo depois, em 1977, a Chapecoense chegou à primeira final do Catarinense e ao primeiro título de sua história, ao derrotar o Avaí na decisão, por 1 a 0. Essa conquistou carimbou a passagem da equipe à disputa do Brasileiro de 78 e 79, ficando na 51ª e 93ª posições, respectivamente.

 

Após quase 20 anos sem título, a Chape, também é carinhosamente chamada de Verdão do Oeste, voltou a triunfar no Catarinense apenas em 1996, em uma polêmica decisão com o Joinville. Na véspera da partida decisiva, os jogadores do Joinville estavam dormindo no melhor hotel da cidade de Chapecó e foram importunados durante a madrugada por foguetório de torcedores da Chapecoense. A polícia foi acionada, mas de nada adiantava.

 

No dia seguinte, os jogadores do Joinville se recusaram a entrar em campo por temerem por sua segurança e por estarem abalados psicologicamente.  O árbitro deu vitória para a Chapecoense por W/O. A partir daí começou uma batalha nos tribunais esportivos para remarcação dos jogos das finais e, por fim, a Chapecoense acabou triunfando dentro de campo.

 

O começo da década de 2000 não foi fácil para a Chapecoense. Assim como a maior parte dos clubes brasileiros, estava afundado em dívidas. Contudo, amparado pela legislação brasileira, o clube mudou sua personalidade jurídica e conseguiu mudar esse quadro. Uma nova diretoria, comandada por empresários locais, assumiu a Chapecoense, e o clube começou a destinar parte da sua arrecadação para pagar os débitos restantes. Em 2006, veio o título da Copa Santa Catarina e, no ano seguinte, a equipe conquistou mais um título do Estadual, em um campanha exemplar, derrotando o Criciúma na final.

 

Em 2009, após a Chapecoense ficar com o vice no campeonato estadual, o time disputou a Série D e garantiu a vaga na Terceira Divisão de 2010. Para sair da Série C foram necessárias outras três temporadas. Neste período, a equipe faturou o estadual de 2011. O Verdão finalmente conseguiu o acesso à Série B em 2012 após um jogo contra o Luverdense (MT).

 

Bastou somente um ano na Segundona para a Chape garantir sua passagem à elite do futebol nacional. Ninguém acreditava que o Verdão iria subir logo de primeira, mas a equipe contrariou todos os prognósticos e a confirmação matemática do acesso veio na 36º rodada, quando empatou com o Bragantino em 1 a 1.

 

Em sua participação na Série A, a Chape não decepcionou e terminou a competição em 15o., garantindo a vaga na Copa Sul-Americana no ano seguinte. Em 2015, na sua primeira competição internacional, o Verdão voltou a empolgar: chegou até as quartas de final, onde acabou eliminado pelo poderoso River Plate. O time também fez bonito no Brasileiro de 2015 e voltou a garantir a vaga na Copa Sul-Americana.

 

O ano de 2016, começou já com título estadual para a Chapecoense. Mas o ponto alto ainda estava por vir com a conquista da vaga histórica na final da Copa Sul-Americana, após passar por clubes de peso como Independiente e o San Lorenzo (o time do Papa Francisco). O sonho de fazer a final contra o Atlético Nacional, de Medellín, infelizmente, sofreu um corte abrupto e inesperado. O avião que transportava a equipe, dirigentes e jornalistas sofreu um trágico acidente na Colômbia, e a decisão da Sul-Americana, que seria realizada nesta quarta-feira (30), em Medellín, foi suspensa.

 

Um dos grandes destaques da equipe era o artilheiro e ídolo Bruno Rangel, o maior goleador da história do Verdão. Quando ele chegou ao time, em 2013, a estrutura do clube era muito pequena. A luta pelo título da competição Sul-Americana seria o próximo grande passo a ser dado, porém a história será escrita de uma outra maneira por conta do acidente que vitimou o Verdão. Diante da tragédia, os principais clubes de futebol do Brasil querem emprestar jogadores à Chapecoense sem custo para a temporada 2017 e eles também sugeriram que o time catarinense não seja rebaixado da Série A nas próximas três edições do Brasileiro caso a equipe termine entre os quatro últimos colocados. A Chape, mesmo com dificuldades continua na Série A do Brasileirão.

 

Um coisa é certa, não há como negar que o clube já havia conquistado há muito tempo a simpatia de muita gente que jamais havia ouvido falar que existia tanto futebol e paixão na querida cidade de Chapecó.

O MARKETING

O investimento forte do departamento de marketing da Chape se deu nos anos 2000, quando o clube modernizou o velho estádio Índio Condá, transformando em Arena Condá e também decidiu que a marca Chapecoense seria mais divulgada. Atualmente o brasão e a camiseta verde da Chape é reconhecido facilmente, fruto de um trabalho desenvolvido ao longo de anos por profissionais capacitados que aliaram o bom andamento do trabalho da direção, dos resultados dentro de campo a imagem do clube que cresceu paralelamente a tudo isso.

Fonte: History

Vestibular de Verão UNIJUÍ 2020

30 de setembro de 2019
Copyrights 2018 ® - Todos os direitos reservados
Skip to content